quinta-feira, 1 de outubro de 2009

FAUSTINO XAVIER DE NOVAIS (3)



     Na residência da Baronesa de Taquari, Faustino fez amizade com muitos intelectuais do tempo, pois aí se costumava realizar um dos melhores salões lítero-musicais do Rio de Janeiro. A idéia de Faustino era enriquecer no Brasil e, novamente com a ajuda de Rodrigo Pereira Felício, abre uma casa comercial na rua Direita, n. 66, onde se vendia um pouco de tudo, desde livros e artigos de papelaria até perfumes e charutos. Faustino tinha barba passa-piolho, que foi a primeira barba do romantismo (somente no tempo da Guerra do Paraguai é que apareceram os cavanhaques e as suíças). Um de seus passatempos preferidos era tocar flauta. Poeta sem grande talento, mas hábil versejador, Faustino deixou algumas poesias que se tornaram populares, como esta que ele escreveu num álbum:


“Num álbum escrever é negra empresa,
De que o vate jamais sai triunfante.
Se é no canto singelo, - é ignorante,
Se é pomposo, - renega a natureza.

Se não cita ninguém mostra pobreza,
Se faz mil citações é um pedante;
Se é pródigo em louvor, - repugnante,
Se não louva, - não tem delicadeza.

Se dá cantos de amor, - é um baboso,
Se em prosa escreve só, - quer ser rogado,
Se escreve prosa e verso, - é orgulhoso.

Se enche muito papel, - é um desalmado,
Se breve assunto escolhe, - é preguiçoso,
Se recusa escrever, - é um malcriado.”

2 comentários:

Ricardo Soares disse...

Muito obrigado pela visita e pelos elogios... a proposta do seu blog é muito interessante e estou colocando o "Memorial" na minha lista de links...obrigado e volte sempre!
ps. ahhh a entrevista que vc assistiu com o Hatoum não teria sido na Sesc Tv ou outro canal ? a TV Brasil não exibe mais meu programa...

José Antonio Martino disse...

É um prazer tê-lo aqui em meu blog, meu caro Ricardo Soares. Creio que a entrevista do Hatoum foi na TV Brasil de MG, mas agora fiquei na dúvida. Pode ter sido na TVE. Seja como for, achei o programa excelente e virei fã. Quero mais!